1nasa-voyager[1]

Nasa confirma que artefato lançado há 36 anos saiu da influência do Sol. Objeto agora vaga no espaço interestelar, informa a agência.

Após 36 anos vagando pelo Sistema Solar, a sonda Voyager 1 deixou a área de influência do nosso Sol, informou oficialmente nesta quinta-feira (12) a agência espacial americana Nasa. Ela agora se encontra a 19 bilhões de quilômetros do astro.

Dados novos captados pela sonda indicam que ela vinha há cerca de um ano viajando numa área de gás ionizado, uma zona de transição imediatamente fora da heliosfera, onde ainda se podem perceber alguns efeitos do Sol.

“Agora que temos novos dados fundamentais, acreditamos que esse é um salto histórico da humanidade no espaço interestelar” disse Ed Stone, cientista do projeto Voyager. “O time da Voyager precisava de tempo para analisar essas observações e dar sentido a elas. Mas agora podemos responder a pergunta que todos estávamos fazendo: ‘Chegamos lá?’ Sim, chegamos”.

Projeto ambicioso
A Voyager-1 foi lançada em 5 de setembro de 1977 e sua “sonda irmã”, a Voyager-2, em agosto do mesmo ano. O objetivo inicial das duas sondas era investigar os planetas Júpiter, Saturno, Urano e Netuno – tarefa que completaram em 1989.

Em seguida, elas foram enviadas para mais além no espaço, na direção do centro da Via Láctea. No entanto, suas fontes de energia, feitas de plutônio, devem parar de produzir eletricidade em cerca de 10 a 15 anos, quando seus instrumentos e transmissores irão parar de funcionar.

As Voyagers se tornarão “embaixadores silenciosos” da Terra enquanto se movem pela galáxia. Ambas transportam discos de cobre banhados a ouro com gravações de saudações em 60 línguas, amostras de música de diferentes culturas e épocas, sons naturais da Terra e outros sons produzidos pelo homem. [Via G1]

Voyager_probe[1]

A sonda
A Voyager 1 e sua irmã gêmea, a Voyager 2, foram lançadas em 1977. As duas sondas passaram por Júpiter e Saturno e a Voyager 2 visitou os arredores de Urano e Netuno. Desde a década de 1970, a Nasa monitora continuamente a atividade dos dois veículos – mesmo que, atualmente, o sinal recebido por eles seja muito fraco: 23 watts, comparável a uma lâmpada de geladeira. Quando chegam na Terra, os sinais são uma fração da bilionésmia parte de um watt. Transmitidos a uma frequência de 160 bits por segundo, na velocidade da luz, o sinal da Voyager 1 chega a Terra após uma viagem de 17 horas.

O custo da missão Voyager, desde seu lançamento, é de 998 milhões de dólares. [Via Galileu]